Por que as ondas de calor matam rapidamente?

Por que as ondas de calor matam rapidamente?

26 de julho de 2022 Off Por dekster

 

Tem sido uma semana sufocante para muitos no hemisfério norte. As temperaturas em partes da Inglaterra ultrapassaram 40 graus Celsius na terça-feira (19 de julho), um recorde nunca antes visto no país, enquanto mais de 100 milhões de americanos estavam sob alertas de calor excessivo na noite de terça-feira. O calor não é apenas desconfortável. Pode ser mortal.

Na Espanha e em Portugal, as temperaturas escaldantes das últimas duas semanas contribuíram para 1.169 mortes, segundo a ABC News(abre em nova aba). As mortes remontam à devastadora onda de calor europeia de 2003, na qual 14.802 pessoas morreram de hipertermia somente na França. A maioria eram idosos que moravam sozinhos em prédios de apartamentos sem ar condicionado, de acordo com Richard Keller , professor de história médica e bioética da Universidade de Wisconsin-Madison e autor de ” Fatal Isolation: The Devastating Paris Heat Wave of 2003(abre em nova aba)” (University of Chicago Press, 2015).

Então, como o calor mata? Quando a temperatura central do corpo aumenta muito, o intestino libera toxinas no corpo, as células começam a morrer e uma resposta  inflamatória devastadora pode ocorrer.

Parte da insidiosa das mortes relacionadas ao calor é a rapidez com que elas podem acontecer. Indivíduos mais velhos correm mais risco, muitas vezes porque seus sistemas cardiovasculares são menos resistentes à tensão causada pelo excesso de calor, de acordo com um artigo de 2014 na revista Medicine & Science in Sports & Exercise(abre em nova aba).

Mas em temperaturas extremas o suficiente, mesmo pessoas jovens e fisicamente aptas podem sucumbir rapidamente. Uma vítima de uma onda de calor em Phoenix em 2017 foi uma personal trainer que estava andando de mountain bike com amigos em um dia em que as temperaturas subiriam para 47,7 C (118 F). Apesar de beber muita água e andar de bicicleta com dois médicos que imediatamente tentaram ressuscitá-la, a mulher morreu, segundo a ABC15 News.(abre em nova aba).

E em 2021, Philip Kreycik, um corredor especialista em trilhas na Califórnia sucumbiu à insolação, em um dia em que as temperaturas se aproximaram dos três dígitos, informou a Outside(abre em nova aba).

E no norte da Califórnia naquele mesmo verão, uma família foi encontrada morta na Sierra National Forest por motivos semelhantes. A história foi notícia nacional porque não estava claro a princípio o que havia matado a família. Mas uma investigação mostrou que as temperaturas chegaram a 109 F (42,7 C) naquele dia de agosto, e a família ficou sem água, de acordo com a NPR(abre em nova aba).

Morte súbita

 

O termo médico para calor corporal excessivo é hipertermia. A primeira fase é a exaustão pelo calor, uma condição marcada por suor intenso, náuseas, vômitos e até desmaios. O pulso acelera e a pele fica úmida. Cãibras musculares podem ser um sinal precoce de exaustão pelo calor, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças(abre em nova aba)(CDC).

A exaustão pelo calor pode ser revertida movendo-se para um local fresco, afrouxando as roupas e aplicando panos úmidos e frios no corpo. Mas quando as pessoas com exaustão pelo calor não conseguem encontrar alívio, elas podem avançar rapidamente para a insolação. Essa condição acontece quando a temperatura corporal central de uma pessoa sobe acima de 40 C (104 F). (Esse número é uma estimativa; há uma variabilidade de alguns graus entre as pessoas quanto à quantidade de calor interno que elas podem tolerar.)

Na insolação, a transpiração pára e a pele fica seca e corada. O pulso é rápido. A pessoa fica delirante e pode desmaiar. Ao tentar compensar o calor extremo, o corpo dilata os vasos sanguíneos da pele na tentativa de resfriar o sangue. Para fazer isso, o corpo tem que contrair os vasos sanguíneos no intestino. O fluxo sanguíneo reduzido para o intestino aumenta a permeabilidade entre as células que normalmente mantêm o conteúdo intestinal e as toxinas podem vazar para o sangue, de acordo com um capítulo de livro .(abre em nova aba)no livro ” Medicina do Deserto(abre em nova aba)” (Mosby, 2011).

Essas toxinas vazadas desencadeiam uma resposta inflamatória maciça no corpo, tão grande que a tentativa de combater as toxinas danifica os próprios tecidos e órgãos do corpo. Pode ser difícil dizer quais danos são causados ​​diretamente pelo calor e quais são causados ​​pelos efeitos secundários das toxinas, de acordo com a Wilderness Medicine. As células musculares se quebram, derramando seu conteúdo na corrente sanguínea e sobrecarregando os rins, que por sua vez começam a falhar, uma condição chamada rabdomiólise.

As proteínas no baço começam a se aglomerar como resultado direto do calor; eles são essencialmente cozidos. A barreira hematoencefálica que normalmente mantém os patógenos fora do cérebro torna-se mais permeável, permitindo a entrada de substâncias perigosas no cérebro. Autópsias de pessoas mortas por insolação muitas vezes revelam micro-hemorragias (derrames minúsculos) e inchaço, e 30% dos sobreviventes de insolação sofrem danos permanentes na função cerebral, de acordo com a Wilderness Medicine.

O Departamento de Serviços de Saúde do Arizona(abre em nova aba) compartilhou as seguintes dicas para prevenir doenças causadas pelo calor:

  • Beba pelo menos 2 litros (cerca de meio galão) de água por dia se você estiver em ambientes fechados e 1 a 2 litros adicionais para cada hora de tempo ao ar livre. Beba antes de sentir sede e evite álcool e cafeína.
  • Use roupas leves e de cores claras e use um chapéu de sol ou um guarda-chuva para desviar os raios do sol.
  • Coma refeições menores e mais frequentes em vez de grandes.
  • Evite atividades extenuantes.
  • Fique dentro de casa o máximo possível.
  • Faça pausas regulares se precisar se exercitar em dias quentes.

© 2022, Esfera Ciência . Todos os direitos reservados. É permitida a copia da matéria desde que o link do artigo seja citado.