Cientistas criam peixes artificiais que nadam usando células do coração humano.

Cientistas criam peixes artificiais que nadam usando células do coração humano.
Crédito de imagem: Michael Rosnach, Keel Yong Lee, Sung-Jin Park, Kevin Kit Parker.
Os peixes sintéticos foram capazes de nadar de forma autônoma usando as contrações do tecido muscular.

O notável peixe “Frankenstein” foi construído por uma equipe de cientistas da Universidade de Harvard usando papel, gelatina e duas camadas de tecido muscular cardíaco humano – uma de cada lado.

Os peixes foram capazes de deslizar pela água por conta própria, sem nenhuma fonte adicional de propulsão externa, graças ao alongamento e contração do tecido cardíaco. Um nó especial foi adicionado para atuar como um marcapasso e controlar o ritmo e a frequência.

Incrivelmente, o peixe continuou nadando por 108 dias – o equivalente a 308 milhões de batimentos. “É um exercício de treinamento”, disse o autor sênior e bioengenheiro de Harvard Kit Parker.

“Em última análise, quero construir um coração para uma criança doente.”

“A coisa realmente interessante sobre esses peixes, que não esperávamos, é quanto tempo eles nadavam e quão rápido eles nadavam no prato”.

O experimento representa um avanço significativo no desenvolvimento de corações artificiais para pacientes transplantados e pode um dia ajudar a salvar inúmeras vidas. De acordo com Parker, a ideia surgiu quando ele avistou uma água-viva durante uma visita a um aquário.

 

© 2022, . Esfera Ciência – All rights reserved.