O Mistério Do Caso Taman Shud.

O Mistério Do Caso Taman Shud.

20 de agosto de 2020 0 Por dekster

Foto: GETTY.

O mistério do caso Taman Shud intrigou agências de inteligência em todo o mundo por mais de meio século.

Também conhecido como “O Mistério do Homem de Somerton”, este caso não resolvido se refere a um incidente ocorrido em 1 de dezembro de 1948, onde um corpo masculino não identificado foi encontrado morto às 6h30 na costa de Somerton Beach em Adelaide, Austrália.

A polícia encontrou seu corpo depois que várias testemunhas relataram o que suspeitavam ser um homem que estava bêbado ou dormindo, reclinado na areia com a cabeça apoiada no paredão.

Ele estava vestido com um belo traje europeu, mas todas as etiquetas foram deliberadamente arrancadas de sua roupa, indicando uma possível tentativa de esconder sua identidade. Seus registros dentários não correspondiam a nenhum indivíduo conhecido na Austrália.

A polícia vasculhou seus bolsos na tentativa de encontrar algum tipo de identificação, mas sem sucesso; a busca resultou apenas em uma passagem de ônibus resgatada, uma passagem de trem de segunda classe não utilizada, um pacote de chiclete Juicy Fruit pela metade, alguns cigarros e uma caixa de fósforos parcialmente vazia.

Depois de várias tentativas malsucedidas de confirmar a identidade do homem e a possível causa da morte, a polícia fez uma autópsia.

De acordo com Sir John Burton Cleland, um famoso patologista da Universidade de Adelaide, o corpo do homem tinha todos os sinais de uma morte por envenenamento, incluindo congestão grave no fígado, rins e cérebro.

O baço do homem estava aumentado cerca de três vezes o tamanho normal, e uma quantidade significativa de sangue estava localizada em seu estômago também.

Curiosamente, vários especialistas em toxicologia tentaram determinar que tipo de veneno foi usado, mas era completamente indetectável em seu corpo.

As autoridades consideraram a morte um suicídio por uma substância venenosa desconhecida, mas após um cuidadoso reexame do corpo por Sir Cleland, um pequeno pedaço de papel enrolado foi descoberto no fundo de um pequeno bolso dentro da calça do falecido.

O papel continha as palavras “Taman Shud” (que significa “final”, “acabado” ou “o fim” em persa) impressas nele, e o verso estava em branco.

Funcionários da biblioteca pública foram capazes de determinar que a frase veio do texto de uma coleção de poemas conhecida como The Rubaiyat, do filósofo persa Omar Khayyam.

A polícia realizou uma ampla campanha para encontrar o livro do qual o texto foi rasgado, fazendo circular imagens do pedaço de papel na imprensa por toda a Austrália.

Um homem cuja identidade foi mantida anônima pela polícia se adiantou e revelou que havia descoberto uma cópia muito rara de The Rubaiyat no banco de trás de seu carro estacionado na Jetty Road em Genelg cerca de duas semanas antes da descoberta do corpo .

O homem disse que não tinha ideia de que o livro tivesse qualquer ligação com o caso até que leu a respeito no jornal.

O livro não tinha a frase “Taman Shud” na última página, e testes microscópicos confirmaram que o pequeno pedaço de papel encontrado no bolso da calça do homem de Somerton estava realmente rasgado da página final do livro.

Cinco linhas em letras maiúsculas foram rabiscadas a lápis bem no final do livro, delineando o que as autoridades determinaram como algum tipo de código.

Os investigadores primeiro conjeturaram que as linhas representavam uma língua estrangeira, mas isso foi posteriormente descartado em favor de algum tipo de cifra ou mensagem criptográfica. As cinco linhas são as seguintes:

WRGOABABD

MLIAOI (esta segunda linha foi riscada na mensagem original, indicando um possível erro devido à sua semelhança com a linha 4)

WTBIMPANETP

MLIABOAIAQC

ITTMTSAMSTGAB

Um número de telefone também foi escrito no final do livro, que a polícia descobriu mais tarde pertencer a uma mulher que morava na Moseley Street em Glenelg, a apenas cerca de quatrocentos metros do local onde o corpo foi encontrado. (Observação: Glenelg também era o destino listado na passagem de ônibus encontrada no bolso do homem de Somerton.)

Depois de ser questionada pela polícia, ela afirmou que possuía uma cópia do The Rubaiyat durante o tempo em que trabalhava como enfermeira no Royal North Shore Hospital (em Sidney) durante a segunda Guerra Mundial, mas que ela havia dado sua cópia para um tenente do exército australiano chamado Alfred Boxall em 1945.

A polícia agora tinha certeza de que o morto poderia ser identificado como Alfred Boxall, até que o verdadeiro Alfred Boxall apareceu mais tarde com uma cópia diferente de The Rubaiyat (uma edição de 1942), com a última página contendo a fase “Taman Shud” intacta!

A mulher alegou não ter qualquer ligação com o homem morto descoberto na praia de Somerton. Ela pediu para permanecer anônima, já que era recém-casada e tinha um filho pequeno e não queria ser associada a um mistério de assassinato ou a Boxall.

Lapide do local em que o desconhecido está enterrado.

Surpreendentemente, a polícia concordou em garantir seu anonimato, embora ela fosse considerada a melhor pista no caso.

Até hoje, a identidade do homem de Somerton ainda não foi confirmada, e o significado da cifra (se houver) não foi determinado.

Muitos especularam que o homem misterioso pode ter sido algum tipo de espião desde que sua morte ocorreu durante um período particularmente intenso da Guerra Fria.

Vários especialistas em inteligência, matemáticos e astrólogos tentaram decifrar o código, mas nenhum deles teve sucesso ainda.

Talvez o enigma do caso Taman Shud nunca seja resolvido, mas ainda carrega um ar de mistério que intriga e fascina as pessoas em todo o mundo.

 

Referência: Smith Sonia Mag.

© 2020, Esfera Ciência . Todos os direitos reservados. É permitida a copia da matéria desde que o link do artigo seja citado.