Radium Girls.

Radium Girls.

17 de agosto de 2020 0 Por dekster

Desenho de arquivo, por Mutter, via Gizmodo.

As RADIUM GIRLS ( meninas do rádio ) eram um grupo de mulheres trabalhadoras que sofreram envenenamento por radiação ao pintar relógios com tinta luminescente.

As Radium Girls trabalhavam na fábrica de relógios dos Estados Unidos Radium Corporation (uma empresa fundada em 1914 pelo médico ucraniano Sabin Arnold von Sochocky e seu colega George S. Willis) na cidade de  Orange ,  New Jersey  (Estados Unidos), por volta de 1917.

As mulheres que trabalhavam nas instalações desta empresa de relógios foram informadas de que a tinta era inofensiva, então elas não se preocuparam quando ingeriram quantidades letais de  rádio após serem instruídas a ” apontar ” seus pincéis aos lábios.

Para se divertir, as meninas do rádio pintavam as unhas, dentes, rosto e vestidos de noite com tintas mortais feitas nas fábricas. Muitos dos trabalhadores adoeceram e não se sabe quantos morreram por exposição à radiação . Como você pode ver, uma história de terror geralmente se esconde na dura realidade.

Imagem: Getty Images

Sobre a United States Radium Corporation

De 1917 a 1926, a United States Radium Corporation se concentrou na extração e purificação da carnotita para a produção de tintas luminescentes , comercializadas sob a marca “ Undark ”. O minério foi extraído do Vale do  Paradoxo,  no Colorado e outras minas em Utah.

Como contratada do Departamento de Defesa dos Estados Unidos , a United States Radium Corporation era um grande fornecedora de relógios radioluminescentes para militares. Sua fábrica em  Illinois empregava mais de cem trabalhadores, a maioria mulheres, para pintar relógios iluminados por rádium e ferramentas de relógio.

Obviamente nenhum dos trabalhadores ficou impedido de trabalhar com aquele material, pelo contrário, foi-lhes garantido que trabalharam em total segurança.

A radiação que atingiu as Radium Girls

US Radium Corporation contratou cerca de 70 mulheres para realizar várias tarefas, incluindo o gerenciamento do rádium, enquanto proprietários e cientistas familiarizados com os efeitos do rádio evitavam qualquer exposição a ele; pois usavam telas de chumbo, máscaras e alicates.

Logo, muitas mulheres começaram a sofrer de anemia , fraturas ósseas e necrose da mandíbula.


Foto: Coleção de Ross Mullner

A US Radium Corporation e outras empresas de discagem há muito rejeitam as alegações de que as Radium Girls doentes sofriam de exposição ao rádio . Por algum tempo, médicos, dentistas e pesquisadores atenderam aos pedidos das empresas para não divulgarem seus dados.

A pedido das mesmas empresas, os profissionais médicos atribuíram as mortes a outras causas, como a sífilis . Ao fazer isso, eles também arruinaram a reputação das mulheres que adoeciam por causa da radiação.  

O inventor da tinta, Dr. Sabin A. Von Sochocky , morreu em novembro de 1928, tornando-se a décima sexta vítima conhecida de envenenamento por rádio; as circunstâncias de sua morte ajudaram as radium girls no tribunal.

O julgamento

O julgamento das Radium Girls contra a US Radium Corporation chocou muito a opinião pública e, conseqüentemente, foi amplamente seguido pela mídia. A operária Flora Grazia Fryer decidiu processar seu empregador, mas levou dois anos para encontrar um advogado disposto a processar a US Radium Corporation . Mais tarde, um grupo de 5 trabalhadores, juntou-se ao julgamento.

O caso foi resolvido no outono de 1928, cada uma das garotas recebeu uma compensação de $ 10.000 (equivalente a $ 137.000 em 2014) e uma anuidade de $ 600 por ano (equivalente a $ 8.200 em 2014). ), além do pagamento de todas as despesas médicas e judiciais suportadas pela empresa.

O caso das mulheres foi retratada no filme Radium Girls.

Trailer:

 

 

Referência: CNN.

 

© 2020, Esfera Ciência . Todos os direitos reservados. É permitida a copia da matéria desde que o link do artigo seja citado.